Comoção no sepultamento do agente penitenciário assassinado em Orós


Era fácil perceber o sentimento de dor no sepultamento do agente penitenciário Carlos Antônio Bezerra, 34 anos, morto na última sexta-feira, vítima de uma emboscada de criminosos que ocupavam uma motocicleta. O momento fúnebre, no município de Iguatu, nesse sábado (3), seguiu em clima de profundo pesar. A diretoria do Sindicato dos Agentes e Servidores do Sistema Penitenciário do Estado do Ceará (Sindasp/CE), a secretária Socorro França, e dezenas de companheiros de farda foram prestar a última homenagem.  

Após o crime, os bandidos fugiram, mas graças ao engajamento dos agentes penitenciários muita coisa já foi descoberta, mostrando a determinação da categoria. No interior, quatro suspeitos foram detidos. Os agentes penitenciários também descobriram que a ordem para assassinar Carlos Antônio partiu da CPPL 3 e, ainda no sábado, um dia após a execução do agente penitenciário em Orós, integrantes do Sistema Penitenciário montaram uma megaoperação na unidade prisional e descobriram um túnel em uma vivência que concentra mais de 400 internos.

Em razão do avanço do crime organizado, independentemente qual seja a facção, pois a categoria acredita que a união é mais forte que qualquer facção, os agentes penitenciários prometeram intensificar as vistorias em todas as unidades prisionais do Estado. Por sua vez, a Diretoria Executiva do Sindasp/CE intensificará as cobranças a cerca do acautelamento de armas e aumento emergencial do efetivo.

“O Estado tem condições para contratar todos os candidatos inscritos no concurso público em andamento. Não aceitaremos apenas a contratação de mil pessoas, visto que temos uma defasagem de três mil agentes e uma superpopulação carcerária”, concluiu Valdemiro Barbosa, presidente do Sindasp/CE.  

Publicado em 04/03/2018, categoria: Notícias do Sindicato por

Deixe o seu Comentário